Posts Tagged social

Reflexões sobre a pandemia do Coronavírus

Ainda em outubro do ano passado, avaliava os impactos do eclipse ocorrido logo após o Natal, considerando seus efeitos sobre a economia. Nem de longe cogitei a possibilidade de estar relacionado a uma pandemia.

Saturno é praticamente o regente do eclipse, governando ainda Júpiter e Vênus (esta última, sem aspecto). Marte encontra-se domiciliado em Escorpião num sextil separativo com o regente do eclipse. O mapa do eclipse obtido para as coordenadas geográficas de seu ápice proporciona Ascendente em Áries, com Júpiter angular junto ao Meio-Céu. Ou seja, uma nítida conotação de retração econômica. A percepção de algum obstáculo à circulação da economia me era nítida, mas não conseguia alcançar a razão.

Marte fez conjunção com o grau do eclipse em 22/02/2020. Em tese, esta conjunção assinalaria o fim dos efeitos do eclipse. Porém, corresponde à chegada do vírus na Itália. Este foi o primeiro país fora da Ásia a decretar quarentena. Se as bolsas de valores já sofriam quedas repetidas pelo mundo afora, estas últimas notícias levaram praticamente à estagnação da circulação da economia. Não custa recordar que anteriormente várias empresas já haviam dispensado seus funcionário por falta do fornecimento de componentes (que vem da China, que fecharas suas fronteiras e praticamente parando as suas atividades econômicas).

Entretanto, o quebra-cabeça não estava solucionado para mim, apesar do mapa do eclipse estar absolutamente óbvio e coerente com o que sabemos desta “gripe”. Faltava encontrar um significado para estes acontecimentos representados pelo mapa do eclipse.  A Hanna Opitz fez falta, teria entrado em contato com ela e teríamos trocado figurinhas. Dentre os vários artigos que recebi pelos grupos do WhatsApp que faço parte, alguns remeteram a palestras proferidas por Rudolf Steiner (1861-1925) relacionando estas pandemias a acontecimentos ocorridos pouco antes à humanidade, deixando-a em estado de “baixa imunidade” e suscetível à ação do vírus. Lembrando que a função da doença é fazer com que o indivíduo pare, olhe para si mesmo e mude algum hábito ou comportamento para restabelecer a sua saúde. Steiner associou este modelo à humanidade. Bem… é o que estamos vivendo neste momento.

Para evitar a disseminação do contágio, várias atividades comuns da vida humana estão suspensas e a recomendação é que as pessoas permaneçam em casa com os seus familiares. Locais e atividades públicas estão suspensas. Nas grandes cidades, implica em encerrar as atividades dos shoppings centers, locais de comércio e lazer. Ou seja, não há circulação nem de pessoas ou de dinheiro. Por falta de componentes, várias indústrias já haviam interrompido as suas atividades. Ou seja, a movimentação da economia como nós a conhecemos foi suspensa por um vírus que sequer é visível a olho nu.

O ingresso do Sol em Áries traz a mesma ênfase de Saturno. Vênus, Astro que não está à disposição de Saturno, separa-se da Lua e aplica-se à conjunção partil entre Marte e Júpiter, em Capricórnio. Desta vez é Mercúrio que se encontra sem aspecto. O Ascendente deste mapa pode variar de acordo com a localidade para o qual for obtido. Este mapa tem várias implicações:

  • manutenção do status quo econômico a qualquer custo.
  • busca de saídas e alternativas para a produção de bens de consumo.
  • pesquisas para a solução da pandemia.
  • em alguns setores, a consciência da falência do atual modelo econômico.

Quando o mapa do Ingresso em Áries é aplicado ao Brasil, pode-se cogitar em algum ótimo resultado proveniente da área médica, como uma vacina ou tratamento mais eficaz vindo de um grupo de jovens pesquisadores universitários. Porém, o impacto em nossa economia será sentido até meados de setembro. Nosso país vive uma situação particularmente interessante na medida em que certas ações sociais servirão de exemplo para a elaboração de políticas públicas, aplicáveis inclusive em países europeus.

Considerando ainda o mapa de ingresso, esta pandemia se relaciona com o carma da população brasileira e contribui para sua mudança de comportamento.

De qualquer modo, a minha percepção é que estes mapas refletem, em conjunto e em perspectiva, o fim de ciclo econômico e uma mudança gradual da consciência da humanidade em relação a si mesma. Há aqui também o papel das mudanças climáticas causadas pela ação humana. Mas isto é assunto para a interpretação dos eventos relacionados à conjunção entre Júpiter e Saturno.

Conclusão:

A rapidez de contágio desta gripe foi capaz de interromper o fluxo do mercado, em vários níveis de seu funcionamento. As medidas de controle e combate da pandemia seguem modelos existentes há pelo menos um século (isolamento social), apesar da tecnologia existente. Esta interrupção causará reflexos na economia até meados de setembro, provocando ainda uma reavaliação dos parâmetros que a regulam.

Surtos de gripe ocorrem com frequência e devem acontecer novamente em breve. É sabido que independente de sua forma de contágio (contato ou ar), os imuno deprimidos são sempre as primeiras vítimas. A miséria e a fome são ainda os maiores males em nosso planeta.

1_fome_no_mundo-43665[1]

Nota: As palestras descritas acima, de Rudolf Steiner, podem ser encontradas no livro As Manifestações do Carma.

, , , , , ,

3 comentários

Olhar 2020/21

Diz que o Seu Zé, pescador antigo daquelas bandas, fitava o céu em busca de algum sinal naquela noite sem Lua. O mar era calmo, uma brisa suave soprava nordeste. O céu, veludo escuro pontilhado de estrelas, limpo e sem nuvens. Olhando para o alto, encontrou as Três Marias e, apertando os olhos, tentou vislumbrar a claridade da costa. Com seu barco parcialmente cheio, considerou melhor voltar para casa, tomar um banho e deitar-se junto de sua esposa.

Num grande centro urbano, Carlos Antônio digita a partir das informações que recebe pelo portal de negócios. Pega um de seus smartphones, liga para um cliente antes de tomar algumas decisões. Há algumas mensagens no outro smartphone, responde rapidamente uma ou outra e volta sua atenção para a tela do notebook. Novos índices sugerem novas oportunidades. Seu smartwatch avisa de uma reunião dois andares acima.

Enquanto isso, no FB, surgem várias postagens a respeito de um eclipse que, nenhum dos dois acima viu, sequer tomaram conhecimento. Há outras postagens sobre uma tal conjunção entre Júpiter e Saturno que, igualmente, nenhum dos dois faz ideia do que se trata.

Algumas digressões…

Embora não tenham consciência do que está acontecendo no céu, não estarão isentos de suas consequências gerais. Contudo, como se tratam de eventos de cunho social, não terão ação sobre as vidas pessoais do Seu Zé e do Carlos Antônio. Para eles, a vida segue…

A vida segue porque suas perspectivas, suas visões de futuro, estão em algum ponto adiante por no máximo um ano. Porém, os Eclipses contam uma estória que se desenrola por cerca de 17 séculos. As conjunções entre Júpiter e Saturno descrevem eventos econômicos e sociais que se estendem por cerca de 800 anos. É mais, muito mais do que Seu Zé e Carlos Antônio podem perceber ou alcançar com a sua consciência.

E como não estarão conscientes do fluxo dos acontecimentos, simplesmente serão levados pela torrente, sem conseguir interferir em suas consequências.

A verdade é que existem informações demais para serem acessadas pelos mais diversos meios e a mente humana está próxima de seu limite, tendo de recorrer à inteligência artificial para a solução de questões complexas que possam ser resolvidas por algoritmos. Alguns autores contemporâneos apontam que a humanidade se aproxima de sua inutilidade, na medida em que a individualidade se torna uma falácia, sob qualquer perspectiva (emocional, psicológica ou mesmo mental). É preciso abstrair para compreender o que está verdadeiramente acontecendo, deixar de lado as páginas dos portais de notícias.

Há um grande paradoxo em jogo, pois de um lado, uma das chaves é o desenvolvimento da consciência individual. Trata-se de um movimento entrópico com o objetivo de se defender da agressividade do meio exterior. Astrologicamente, é representada pelo Sol.

Por outro lado, a outra chave é a participação social, o senso comum, o envolvimento coletivo e humanitário, representado por Aquário (onde ocorre a conjunção entre Júpiter e Saturno).

A crise ética que assistimos nos últimos anos é reflexo dos paradoxos acima. Corrupção e a escalada da violência são as manifestações visíveis da falta de consciência individual e de participação social.

A Grande Conjunção Júpiter-Saturno

As conjunções entre Júpiter e Saturno ocorrem a cada 20 anos, com um avanço de 243° com relação ao anterior. Depois de 60 anos, a terceira conjunção ocorrerá com uma diferença de 9° com relação à primeira. Após 800 anos (40 conjunções), haverá uma diferença de apenas um grau em relação à primeira conjunção.

A próxima Grande Conjunção encerra um ciclo iniciado em 05/03/1226. Uma pesquisa nos acontecimentos da época indicam o avanço das tropas mongóis (que chegaram até a Hungria), o surgimento das feiras livres e das guildas de comércio e, as cruzadas (que abriram oportunidades comerciais através das rotas marítimas).

Atualmente, encontramos os produtos chineses em qualquer prateleira no mundo e vemos que o mercado tenta se reinventar desde a Grande Crise de 2008. Enquanto a China não consegue mais um crescimento de sua economia no patamar de dois dígitos, a economia (mercado) opera com juros cada vez menores e com princípios artificiais (criptomoedas, blockchains).

A Grande Conjunção do final de 2020, ocorrendo no início do Signo Astrológico de Aquário assinala o fim da “Lei de Mercado” como nós a conhecemos. Com o avanço da IA e dos algoritmos, haverá um número cada vez maior de desempregados (a Europa já está cheia deles há décadas!!!). Com menos indivíduos economicamente ativos contribuindo para o Estado por meio dos impostos menos dinheiro haverá na Economia. Juros baixos significa que o dinheiro (ou os créditos) tem menos valor. A redução do consumo é uma realidade e fortalece a distância entre os mais e os menos economicamente favorecidos. A solução da indústria vem sendo agregar valor através da tecnologia de ponta, acessível para poucos.

É esta bomba relógio que irá estourar a partir de 2021, representada pela Grande Conjunção. Num primeiro momento, a descrição acima, tomada do Homo Deus, de Yuval Harari e muito difícil de desmontar a partir do atual quadro político e econômico mundial. O retorno do nacionalismo é um aspecto dos mecanismos de defesa das economias dos países onde surgem, como é o caso do BREXIT.

Uma semana antes da Grande Conjunção há um Eclipse Solar total de Nodo Sul. Ocorrendo no Signo Astrológico de Sagitário, será efetivo por pouco mais de três anos. Será visível no Chile, na Argentina e parte do Brasil. Não me causará espanto se houver graves movimentos sociais nos primeiros dois países. No Brasil, acredito que o clima entre certos setores militares, o parlamento e o judiciário azedará de vez. A Europa lida com os milhões de imigrantes islâmicos, onde as políticas públicas não refletem a vontade da maioria da população, que vê a sua cultura sendo colocada de lado em favor do islamismo.

O sentido de humanidade que se espera tem, sob a perspectiva econômica, a questão do aquecimento global x sustentabilidade.  Para alimentar a crescente população, cada vez mais subempregada, é necessário produzir mais alimentos. A agricultura precisa de irrigação: sem água, não há colheita.

Battle-of-the-Doomed-Gods[1]

A minha expectativa para as primeiras três conjunções seguintes entre Júpiter e Saturno são o aumento da fome e da miséria no mundo, bem debaixo de nossos olhos. Onde há miséria há a exploração da miséria (favelização, marginalização social e crimes de todos os tipos, consumo e tráfico de entorpecentes, etc…). A saída é a solução do paradoxo apresentado anteriormente, uma vez que o desenvolvimento da consciência individual leva à percepção de uma consciência universal e torna a ética bem como, a contribuição e participação social uma necessidade.

Assim, este Eclipse Solar de dezembro de 2020 lida também com fechar os olhos e voltar-se para dentro de si mesmo em busca do atributo divino que o anima, do pó das estrelas que o originou. E então olhar para os demais humanos como uma grande coletividade que, para sobreviver, precisa aprender a colaborar uns com os outros. Uma total utopia…

Os maiores progressos da humanidade ao longo da História foram alcançados quando o Homem aprendeu a colaborar com os demais, desinteressadamente.

Talvez o Seu Zé consiga pescar melhor e Carlos Antônio trabalhe com menos ansiedade. E ambos consigam dedicar mais tempo às suas famílias e pessoas de suas comunidades.

, , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Retrospectiva 2016/Expectativas 2017

Tenho acompanhado os acontecimentos deste segundo semestre de 2016 com as mesmas expectativas (acredito) que a maioria das pessoas. Entretanto, como venho dizendo em conversas informais, os problemas que o mundo (e não apenas o Brasil) enfrenta atualmente não surgiram de uma hora para outra e, da mesma forma, não irão se resolver rapidamente como que por um passe de mágica.

2017

Os mesmos desafios e tendências que verificamos em nosso país também ocorrem em outros locais de nosso planeta, mas com direcionamentos diferentes em razão das culturas e histórias dos países ou regiões.

Isso sem contar na foice ceifadeira que levou um monte de gente bacana este ano…

A radicalização é um desses temas comuns, com aspectos e desdobramentos muito similares:

O Mundo

  • No Oriente Médio, há a guerra civil da Síria e o Estado Islâmico são os mais conhecidos, porque rondam a mídia como pano de fundo dos atos terroristas na Europa. Mas é bom recordar a fragmentação que os demais países muçulmanos sofreram nos últimos anos (Líbia, Iraque, Iêmen, Egito…) que permanecem à disposição de qualquer liderança populista. Nestes casos é bom lembrar que numa mesmo nação podem existir vários povos, como é o caso da Turquia, por exemplo.
  • O caso dos países da África Central é parecido com o caso do Afeganistão e Paquistão, onde a miséria extrema abriu espaço para milícias e lideranças populares, com um povo tentando subjugar ao outro.
  • A Europa está assolada de problemas, após o BREXIT, outras nações já se manifestaram a favor de sair do bloco, a partir de um sentimento nacionalista cada vez mais forte. A invasão dos refugiados reforçou este sentimento e aguçou a xenofobia, que não é novidade deste período. A Bulgária fechou as suas fronteiras, a Áustria reforçou a segurança e apertou as restrições à entrada de imigrantes. França, Inglaterra, Bélgica e Noruega já declararam que não os querem. Espanha e Itália ainda lidam com um elevado número de desempregados. A Alemanha ainda não conseguiu reintegrar a Alemanha Oriental por completo. O PIB Europeu encolheu significativamente. Os movimentos conservadores têm crescido em razão do nacionalismo e de seu apelo popular.

mundo2017Todos os assuntos acima citados se agravaram a partir do trânsito de Saturno (pouco à vontade e por isso, ditatorial) no Signo de Sagitário.

  • Nos EUA, nos oito anos que presidiu o país, Barack Obama obteve relativo sucesso em restabelecer o crescimento econômico e os empregos, bem como, distanciar-se dos conflitos militares em outras regiões do globo. Exerceu a sua autoridade como presidente da nação mais importante do planeta evitando intervenções diretas e mortes de americanos. Contudo, Donald Trump se elegeu graças ao forte apelo populista e uma campanha baseada em promessas de 140 caracteres. Alguns o veem com apreensão.

Tanto na Europa como nos EUA, há mecanismos reguladores extremamente restritivos. Na Europa, o excesso de regulação (burocracia) é responsável por toda sorte de atrasos no processo de tomada de decisões que deveriam ser tomadas em poucas horas. Nos EUA, tudo isso é mais ágil e, portanto, mais eficiente, o que não dá tanto espaço ou margem para que um presidente faça o que lhe der na telha.

  • Na América Latina, ainda persistem alguns governos de cunho populista, como até bem pouco tempo era o caso inclusive do Brasil. Por sinal, somos o país com o mais moderno sistema jurídico no mundo, o que não parece ser uma vantagem, como vimos recentemente…

O Brasil

O maior problema do Brasil é a ineficiência. A corrupção pode ser enquadrada nesta ineficiência, uma vez que os mecanismos reguladores dos contratos e das transações comerciais não foram capazes de (ou não quiseram) detectar o dinheiro que se esvaía para outros destinos que não aqueles de interesse público.

A corrupção pode ser comparada como uma rede de abastecimento de água tratada que deveria chegar a todos os destinos com pressão suficiente… Mas como foram feitos gatos e há vazamentos logo na saída da estação de tratamento, o volume e pressão da água entregue é diferente daquele que saiu inicialmente. Portanto, a água que retorna para ser tratada, será igualmente menor, ocasionando um déficit de armazenamento…

Alguns países, como a Dinamarca, extinguiram o dinheiro de papel em 2016 para ter maior controle sobre a circulação de divisas e tentar estancar estes “vazamentos”, que também ocorrem por lá e em outros países do 1º Mundo.

Como o dinheiro que deveria retornar sob a forma de serviços era inferior ao que realmente foi pago, começou a faltar dinheiro em toda a cadeia… O primeiro passo é o desemprego e com ele, a diminuição do poder aquisitivo, que prejudica inicialmente o comércio e depois a indústria e pronto, está armado o círculo vicioso que todos conhecemos.

br2017

Em nosso país, a cultura do superfaturamento é um problema cultural, que ocorre desde os tempos do Brasil-Colônia…

A ineficiência vem acompanhada de um outro problema global: a falta de ética, numa época em que vivemos um mundo de aparências pautado pelo “politicamente correto” que, neste período de Júpiter em Libra transformou o mimimi numa arte…

Bom moço

Existem, porém, os aspectos positivos desta relação entre Saturno em Sagitário e Júpiter em Libra. Casos de violência doméstica, estupros, homofobia e xenofobia sempre existiram desde tempos remotos, mas agora saíram de sob o tapete e entram em nossos lares casa através dos noticiários, sendo discutidos inclusive nas escolas. Tornados crime, suas ocorrências são denunciadas e as pessoas que cometeram tal ato, condenadas e presas.

Expectativas

Durante o ano de 2017, Saturno transitará no Signo de Sagitário até meados de Dezembro, quando ingressa em Capricórnio; e Júpiter, no Signo de Libra, até meados de Outubro, ingressando no Signo de Escorpião. Durante todo o ano, Júpiter estará na Via Combusta. Estes dois Astros formarão um sextil ao final de Agosto, quando Saturno retoma o movimento direto. Trata-se do último contato entre os dois astros, antes de formarem a conjunção, em Aquário, ao final de Dezembro de 2020.

A colega Barbara Abramo afirmou em sua página pessoal (14/12/2016) que “o navio Brasil vai encontrar o seu prumo apenas em 2020”. Pelo que descrevi acima, devemos ter boas expectativas para o nosso país apenas a partir do início de 2021. Aí você irá me perguntar: conseguiremos sobreviver até lá? Sim!!! Com certeza!!!

Mas não dá para pensar que todos os problemas que elenquei anteriormente sejam solucionados, com esta configuração entre os dois astros regentes dos acontecimentos sociais, econômicos e culturais. Com Saturno em Sagitário ainda teremos notícias de atentados, de miseráveis fugindo de seus países e buscando melhor sorte em outros países, além das fronteiras… Com Júpiter em Libra, haverá muitas discussões políticas, marcos regulatórios, protocolos, mas nenhuma decisão concreta que corrija o que está errado.

Ao mesmo tempo que ocorre um vazio de lideranças, há também um empobrecimento do pensamento e das reflexões (limitadas a 140 caracteres, será que me leu até aqui?). É um campo fértil para todos os tipos de movimentos populares baseados em slogams sem qualquer probabilidade de se tornarem realidade (as campanhas das utopias sociais são realizadas através do Signo de Sagitário).

Com relação aos EUA, os mecanismos regulatórios (Constituição, Senado, etc.) são suficientemente eficientes para evitar desastres e catástrofes provocadas por algum desorientado. Quanto à perda de importância dos EUA no cenário global, isto já ocorreu a partir da Era Obama, pois teve de primeiro arrumar a casa antes de tentar cuidar dos quintais dos vizinhos.

Brasil 2017

Os temas que se seguem serão melhor desenvolvidos em artigos futuros. Nos tópicos abaixo pretendo apenas responder ás questões mais importantes para o nosso país no ano de 2017.

  • A chapa Dilma-Temer será cassada pelo TSE? Há um período extremamente crítico em torno de 11/05/2017, época em que o risco de enfrentar problemas que levem à sua cassação é grande. Contudo, não existe nenhuma indicação particular no mapa de Dilma Rousseff. Assim, é mais provável que Temer esteja recebendo duras críticas e lidando com acusações graves, sem que seja cassado, cumprindo o seu mandato até o final.
  • As investigações de corrupção irão continuar? Sim, sem dúvida, mas de uma forma mais branda, uma vez que já obtiveram muito material que precisa ser analisado. Deverá entrar em nova fase a partir de meados de Outubro, quando Júpiter ingressar em Escorpião.
  • Lula será preso? Escrevi um artigo sobre esse tema e continuo achando pouco provável. Lambuzou-se com as oportunidades que teve acesso. Terá um período complicado quase na mesma época que Temer, em torno de 12/05/2015. Pessoalmente, acredito que o ex-presidente era apenas uma importante figura de fachada, uma espécie de fiador do esquema arquitetado e administrado pelas empreiteiras, de um lado e, José Dirceu e Antonio Palocci, do outro. Estes sim, com inteligência, sagacidade e perspicácia para um esquema desta dimensão.
  • A economia voltará aos trilhos? Não. No 1º semestre, particularmente entre os meses de Março e Junho, ainda veremos mais desemprego, dificuldades com arrecadação e inadimplência generalizada. A construção civil é um dos setores que já se encontra prejudicado e é o que mais deve sofrer neste período. Nesta época surge ainda a tendência inflacionária em razão da elevação dos serviços públicos. Apenas depois das eleições e graças à definição do presidente seguinte é que haverá perspectivas da economia voltar a crescer. Este tema será melhor desenvolvido em um artigo futuro.
  • Como fica a crise ética na política? Até Outubro, ainda teremos de lidar com abusos e absurdos. Porém, neste período, começa-se a se desenhar o cenário para as eleições de 2018. É bastante provável que os candidatos de maior destaque não sejam políticos de carreira. Porém, neste mês, em razão das investigações de corrupção, vários políticos terão de deixar os seus cargos, sendo substituídos por seus suplentes, alguns deles, inexpressivos, o que não quer dizer incapazes. Esta renovação trará um novo perfil, cujas consequências deverão influenciar na corrida presidencial do ano seguinte. Entretanto, em ano de Júpiter em Libra, deve-se esperar muitas tentativas de obter acordos, conversas de bastidores, mimimi que não leva a lugar nenhum. Este é mais um fator de estagnação para o país. Este tema também será melhor desenvolvido em um artigo futuro.

Conclusão

Em resumo, em 2017, lidaremos com os mesmos problemas que enfrentamos no 2º semestre de 2016.

Em nosso país, a curva do desemprego deve se estabilizar, ainda sem uma retomada. A ineficiência ainda será o maior problema. No mundo, também teremos de lidar com as mesmas questões (violência generalizada, terrorismo, diminuição do PIB e da renda per capita). Apesar de não ocorrer nenhum milagre, 2017 será mais tranquilo sob a perspectiva jurídica. Mas ainda não é o ano das soluções e dos resultados.

, , , , , , , , , , , , , , ,

6 comentários

Júpiter retrógrado (2013/2014)

Em 07/11/2013, Júpiter entra em movimento retrógrado. O movimento retrógrado é uma particularidade que ocorre apenas do ponto de vista da Terra. Aparentemente, o astro parece se mover trás, em relação às estrelas, formando uma laçada. Na realidade, sua órbita em relação ao Sol não sofre nenhuma mudança de sentido. Apenas que dadas as posições relativas da Terra e de Júpiter, este último parece ficar para trás.

É como se você estivesse na estrada, ultrapassando um outro carro. Ao olhar para o carro que está sendo ultrapassado, você terá a impressão de que ele se move para trás, quando de fato, o que ocorre é que as posições relativas de ambos em razão de suas velocidades é que causam este efeito visual.

A Astrologia, porém, é feita do que se vê, particularmente aqui da Terra e os períodos em que um astro se encontra retrógrado são considerados importantes. Os antigos os tomavam para medir os períodos planetários. Assim, Júpiter permanece retrógrado por cerca de 4 meses na mesma região do Zodíaco e formando o mesmo desenho no céu a cada 83 anos. A retrogradação atual se encontra inserida da seguinte maneira:

  • 07/11/1847 a 06/03/1848: Júpiter retrógrado entre 20° CA 34′ e 10° CA 30′.
  • 08/11/1930 a 07/03/1931: Júpiter retrógrado entre 20° CA 31′ e 10° CA 27′.
  • 07/11/2013 a 06/03/2014: Júpiter retrógrado entre 20° CA 31′ e 10° CA 27′.
  • 06/11/2096 a 05/03/2097: Júpiter retrógrado entre 20° CA 20′ e 10° CA 16′.

Vamos então aos fatos já ocorridos:

1848No início de 1848, ocorreram uma série de revoltas nos países da Europa Ocidental visando reformas sociais. Os anos anteriores foram marcados por más colheitas e a população em geral estava empobrecida. Estas revoluções ocorreram no âmbito dos próprios países e também é conhecida como “Primavera dos Povos”.

Em 1930, o Nacional Socialismo ascendia ao poder através de uma coalizão com outros partidos e a Alemanha verificou um rápido crescimento econômico, venceu o desemprego e tronou-se uma potência na Europa. No Brasil, a data de 03/11/1930 corresponde ao fim da República Velha.

Constata-se que o trânsito de Júpiter exaltado no Signo de Câncer coloca em pauta questões políticas e sociais que resultaram em importantes mudanças históricas. É de se esperar que o mesmo ocorra com relação a este período entre o final de 2013 e o início de 2014.

O imagem abaixo ilustra as estações e a retrogradação de Júpiter para esta época:

Júpiter Rx

  • 12/08/2013, 10° CA 27′: Júpiter ingressa na zona de retrogradação.
  • 06/11/2013, 20° CA 31′: Júpiter retrógrado.
  • 06/03/2014, 10° CA 27′: Júpiter direto.
  • 01/06/2014, 20° CA 31′: Júpiter deixa a zona de retrogradação.

Em parte deste período, Vênus também estará retrógrada:

Venus Rx

  • 20/11/2013, 13° CP 33′: Vênus ingressa na zona de retrogradação.
  • 21/12/2013, 28° CP 59′: Vênus retrógrada.
  • 31/01/2014, 13° CP 33′: Vênus direta.
  • 04/03/2014, 28° CP 59′: Vênus deixa a zona de retrogradação.
  • Em 28/11/2013, Júpiter forma uma oposição com Vênus e um trígono com Mercúrio, em Escorpião.
  • Em 12/12/2013, Júpiter forma o segundo trígono com Saturno, em Escorpião.
  • Em 08/01/2014, Júpiter forma a primeira quadratura com Marte, em Libra.
  • Em 22/04/2014, Júpiter forma a segunda quadratura com Marte, em Libra, retrógrado.
  • Em 24/05/2014, Júpiter forma o terceiro trígono com Saturno, em Escorpião, retrógrado.

Os destaques são os trígonos entre Júpiter e Saturno e a oposição com Vênus. Entre 21/12¹2013 e 31/01/2014, os dois planetas benéficos estarão retrógrados.

No contexto mundial, teremos uma série de ajustes na economia mundial. Os EUA encontram-se com a sua estrutura financeira à beira da falência. A degradação da poupança e um insustentável déficit em conta corrente apontam para o colapso da ordem social no país. Porém, o descontrole dos gastos públicos é uma praga mundial, que também se verifica em nossas bandas. Na Europa, vários países tiveram de ser socorridos financeiramente, sendo o caso da Grécia o mais emblemático. Apenas recentemente, a Espanha conseguiu reequilibrar as suas contas públicas. O preço da ajuda foi austeridade, resultando em mais desemprego e crises sociais.

Tanto os EUA como os principais países da Europa, contam com fundos de assistência aos desempregados. Mas à medida que a proporção entre os empregados, que financiam o sistema, e os desempregados diminui, o sistema corre o risco de entrar igualmente em colapso. A alternativa adotada na Alemanha, na França e no Reino Unido foi elevar o valor pago para manter os fundos.

Protestos como vistos principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro, ocorreram antes nos países que sofreram com as medidas adotadas para não deixar a Comunidade Europeia naufragar.

Os tópicos acima se encontram alinhados com os trígonos entre Saturno e Júpiter, que tratam de boas soluções para os problemas apontados.

Como vimos, há a expectativa de outros dois trígonos entre ambos, o primeiro ocorrendo com Júpiter retrógrado, em dezembro e, o segundo, com Saturno retrógrado, ao final de maio. Nos EUA, veremos os desdobramentos do aumento do teto da dívida, que chegou a parar o país por poucos dias. No Brasil, a deterioração insustentável das contas públicas que, mesmo com a injeção de 143 bilhões na economia, não será o suficiente para resolver uma outra equação: o alto endividamento das pessoas, que só cresceu nos últimos cinco anos.

Com respeito às manifestações sociais e as perspectivas da economia como um todo, no Brasil e no mundo, vale a pena ler o que escrevi em As manifestações sociais – a visão dos Cronocratas. Neste artigo, trato do ciclo entre Júpiter e Saturno.

Quando Vênus retornar ao movimento direto, Júpiter ainda estará retrógrado. A expectativa é de que o comércio e as pessoas façam o que for possível para melhorar as suas próprias contas. Na verdade, há um adágio que diz que o mercado sempre se autorregula. Porém, os fundamentos da economia já se encontram absolutamente exauridos.

No princípio de Março, Júpiter retorna ao movimento direto, mas Saturno e Marte ficam retrógrados. Isto ocorre na mesma época em que Vênus deixa a zona de retrogradação. Mesmo que não ocorram mudanças visíveis, será nesta época que a economia conseguirá apresentar respostas concretas que as organizem (ao menos, até 10/2016). O Brasil, no entanto, só terá olhos para a Copa do Mundo. É bom ficar atento à medidas lançadas nesta época, que em outros períodos, poderiam se mostrar bastante impopulares.

Quando Júpiter deixar a zona de retrogradação, diminuem sensivelmente as manifestações sociais que, mesmo nesta época, já perderam muito de seu impacto e capacidade de produzir algum resultado. Nesta época, é bom olhar para Marte, ainda em Libra. Será ele que apontará para o que de fato estará acontecendo.

superação

No plano pessoal, avalie as Casas onde Saturno e Júpiter se encontram. O primeiro, apresenta um problema ou obstáculo a ser removido de seu caminho. O segundo, por meio de seus trígonos, aponta para as possíveis soluções. No período em que estiver retrógrado, você estará diante de uma oportunidade de rever as pessoas que podem lhe ajudar, particularmente aquelas com as quais você se encontra familiarizado. Ou ainda, oportunidades de fazer bons negócios ou expandir as suas possibilidades de progresso e crescimento. Eventualmente, pode despertar o desejo de voltar a estudar algo de cunho social e que possa de fato mudar a sua vida.

Porém, o que realmente fará a diferença, será o seu grau de comprometimento, e não o quanto poderá pagar por suas mudanças. Eventualmente, terá de contar com a colaboração dos demais ou de pessoas com as quais preferia manter apenas um contato cordial. Lembre-se que qualquer trabalho realizado em equipe multiplica o tamanho dos resultados que você poderia alcançar individualmente. Marte e Saturno retrógrados estarão a lhe lembrar que sozinho(a), o seu alcance é limitado.

Verifique ainda se há algum aspecto importante ocorrendo em seu mapa durante o período em que Júpiter se encontra na zona de retrogradação. Considere especialmente os aspectos difíceis, como a conjunção, a oposição e a quadratura, pois mobilizam pessoas e acontecimentos importantes também em outras áreas de sua vida e individualizando esta época ainda mais.

Notas: 

Épocas das retrogradações de Júpiter: http://www.astropro.com/features/tables/geo/ju-sta/ju-sta09.html 
Diagramas das retrogradações de Júpiter e Saturno: http://www.cafeastrology.com/retrogrades.html 

Outros sites pesquisados:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%B5es_de_1848 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fascismo 
http://diplo.org.br/imprima608 
http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2013/10/3/visao-do-correio-os-riscos-da-crise-americana 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Crise_da_d%C3%ADvida_p%C3%BAblica_da_Zona_Euro#Protestos_nas_ruas 
http://www.brasil247.com/pt/247/economia/119081/Economia-ter%C3%A1-inje%C3%A7%C3%A3o-de-R$-143-bilh%C3%B5es-com-13%C2%BA.htm 

, , , , , , , ,

4 comentários

Fim de Feira

Alguém pode me dizer se saiu ileso dos episódios deste 1º semestre?

Foram tantas retrogradações e tantas emoções, que mal conseguimos digerir os obstáculos e ajustes diversos que Marte em Virgem e Saturno em Libra nos propuseram neste primeiro semestre. E ainda tivemos Vênus para nos brindar, retrogradando em Gêmeos ao mesmo tempo em que formava uma rara conjunção superior.

Marte liberará suas ações a partir de 20/06, Vênus a partir de 01/08 e Saturno, a partir de 02/10, praticamente ingressando em Escorpião. Portanto, ainda há muita água para passar debaixo da ponte enquanto esperamos estes planetas cruzarem a sua 2ª estação. Isso quase implica dizer que o ano começará mesmo a partir de outubro.

Numa era de superficialidades e amenidades, do “politicamente correto” e de não enfrentar os problemas de frente, a partir de outubro é preciso adotar outras posturas e usar de profundidade para resolver o que foi deixado para trás.

O que se esperava?

  • Corrigir e acertar os meios produtivos, obtendo mais com menos (Marte).
  • Refazer acordos comerciais de maneira política (Vênus e Saturno).
  • Buscar o colaboracionismo e a cooperação em vários níveis, ao invés do protecionismo (Saturno).

Será que a lição de casa foi realmente feita?

Os resultados do eclipse recente estão ai para serem vistos: revoltas e revoluções por toda parte, ao mesmo tempo que se tapa o Sol com a peneira de questões de maior amplitude e que irão afetar as gerações futuras. Temo por elas: a maior convenção da ONU foi um fracasso, muito se conversou e nada se resolveu.

A Europa e os EUA ainda estão sem rumo, mas tendem a manter o que já existe para ver como fica.

E você? O que está fazendo de sua vida e por seu futuro?Se não fizer nada acabará ficando com a xepa.

Atitude é essencial nesta fase de nossas existências.

, , , , , ,

6 comentários

As crises de 1929 e 2011

Urano é o planeta da novidade transcendente e inesperada. Normalmente, seus trânsitos sugerem mudanças sociais de profundo impacto. Tenho associado os seus ciclos de 84 anos às questões econômicas que afetam a todos nós, embora ocorram numa escala bem maior.

Em 1928 Urano ingressou em Áries. No ano seguinte, ocorreu a Grande Depressão Econômica, que apenas se encerrou por ocasião da II Guerra Mundial. Estamos vivendo uma época semelhante graças aos problemas enfrentados na zona do Euro, combatidos com soluções paliativas. Não há indícios de uma nova guerra no horizonte, a época é outra.

Mas encontramos configurações semelhantes àquelas da época da queda da Bolsa de Nova Iorque. Os problemas se iniciaram na época em que da conjunção entre Júpiter e Urano, no início de 1928, embora oficialmente se indique o início da crise em 24/10/1929, com Júpiter retrógrado aos 16º de Gêmeos e Saturno nos últimos graus de Sagitário. Embora associado à diminuição da produção industrial, que resultou em desemprego generalizado (primeiramente nos EUA), há uma questão de inconsistência do modelo econômico vigente. Houve uma desvalorização generalizada da moeda em todo o mundo. Foi graças à intervenção do Estado que o Capitalismo encontrou sobrevivência.Na Europa, alguns países buscaram soluções alternativas para seus problemas internos e, no período que antecedeu à II Guerra Mundial, a Alemanha mantinha um comércio muito ativo com os países que hoje poderíamos chamar de emergentes. Também investiu em infraestrutura. Dessa forma, resolveu o problema do desemprego e da carestia de alimentos. Por pouco o marco alemão não se tornou a moeda de referência para o câmbio, em lugar da libra esterlina.

É bom lembrar do passado para estabelecer analogias com o presente. A Alemanha, juntamente com a França, lidera os aspectos econômicos da manutenção da moeda europeia, diante do dólar americano desvalorizado. Nos EUA, há forte desemprego, embora no momento, esteja razoavelmente sob controle. É Saturno quem dá uma condição astrológica diferente àquela que antecedeu a II Guerra Mundial, uma vez que se encontra nos graus finais de Libra.

A globalização, enquanto modelo econômico, trouxe grande mobilidade para os capitais, que migram fácil e rapidamente de um país (ou mercado) para outro, reduzindo o papel do Estado. No entanto na hora da crise, foi justamente que interveio para evitar maiores quebras, especialmente de bancos e indústrias e, de algum modo, preservar os empregos regionais. Atualmente, uma das maiores críticas ao capitalismo é a necessidade de produção contínua e incessante. Porém, este modelo econômico gera ainda uma distribuição desigual de renda (e consequentemente, de poder).

Pessoalmente, acredito que enquanto Urano se encontrar em Áries, assistiremos a várias fases de mudanças econômicas que culminarão ao final de 2016, com uma combinação astrológica muito particular: Urano em oposição a Júpiter (em Libra) e em trígono com Saturno (em Sagitário). Trata-se de uma configuração que sugere acordos importantes no âmbito mundial para ajustar os problemas econômicos que ora enfrentamos. Uma nova maneira de encarar todos os meios de produção estará em curso e talvez, o novo modelo econômico que emergirá nesta ocasião conseguirá conciliar as necessidades sociais ao mesmo tempo que combate as desigualdades. Gosto de lembrar que uma má distribuição de renda tira fatias importantes do mercado de consumo. Até lá, teremos de conviver com iniciativas individuais ou de nações isoladas preservando os seus próprios mercados, sem perceber que na medida em que o fazem, não resolvem nenhum problema, apenas adiam uma catástrofe maior.

Em 2017, é muito provável que o dinheiro seja encarado de uma outra maneira, se ainda existir.

, , , , , ,

Deixe um comentário

Ainda dá tempo

Saturno ficará retrógrado entre os graus 29 e 22 de Libra antes de ingressar em Escorpião. Parece perguntar:

– Você está mesmo afim de manter este relacionamento?

– Esta é a associação que pretende manter?

Oferece uma espécie de última chance para você definir o que quer a respeito de sua relação com os demais, especialmente aquelas associações que considera essenciais para a sua vida. À princípio, não significa separação ou afastamento, mesmo porque não é este astro que as proporciona. Mas sim, um amadurecimento das relações já existentes em bases mais sólidas e consistentes. Assim, se falta estrutura ou algo precisa ser equilibrado para existir uma boa base de apoio, esta é a ocasião.

Sob uma perspectiva mundial, um pouco de paz na Europa em razão dos acordos fechados entre os países insolventes ou com dificuldades de liquidez. Mas não vá se iludir que está tudo resolvido, pois quando Saturno retornar ao movimento direto, é possível que se note que os acordos são, na realidade, apenas remendos ou tapa-buracos para resolver questões pontuais, sem trazer uma solução definitiva.

O período em que ficará retrógrado é compreendido entre 07/02 e 25/06/2012. Em outubro, quando ingressar em Escorpião, será a ocasião de testar a validade de tudo o que foi combinado até então, seja na esfera pessoal como na mundial.

A região de Libra em que Saturno ficará retrógrado compreende os termos de Marte e uma pequena parte dos termos de Saturno. Marte se encontra em Virgem, retrógrado até 14/04/2012 e também fala de ajustes e reajustes do cotidiano. Assim, esta combinação sugere primeiramente um ajustamento das relações de participação e cooperação das atividades diárias. Em ambiente de trabalho, é hora de repensar as equipes e até a utilidade de certas rotinas e métodos. Nos relacionamentos pessoais, considere rever as responsabilidades assumidas junto ao seu companheiro ou companheira.

A melhor ocasião para colocar as decisões em prática será a partir de 14/02/2012, quando Marte estiver direto e você conseguirá obter a máxima eficiência em suas atividades do cotidiano. Não dá para fugir da raia. Em nenhum momento esta configuração fala de amor ou sentimentos, mas de serviço e utilidade.

Por um pequeno período, Saturno estará retrógrado em seus próprios Termos. Nesta época, Vênus estará retrógrada em Gêmeos, retornando dois dias após Saturno retomar o movimento direto. Por mais que este astro disponha sobre saturno, novamente, não dá para falar de sentimentos, mas sim, de conversar a respeito dos problemas existentes, encontrar acordos (inclusive comerciais) que sejam bons para ambas as partes.

Ou seja, qualquer que seja a perspectiva avaliada, a retrogradação de Saturno descreve uma fase de ajustar trabalho e finanças entre as partes envolvidas, seja no plano pessoal (casamento), no comercial (sociedades e associações de negócios), como no mundial (relações internacionais).

Honestamente, em razão dos problemas econômicos, acho pouco provável que exista uma gestão eficaz da crise nos países árabes, que serã deixados à sua própria sorte.

, , , , ,

1 Comentário