Posts Tagged reintegração

A Magia e a Astrologia

A Astrologia Contemporânea perdeu um de seus mais poderosos instrumentos, aquele que propicia ao nativo se reintegrar à Unidade. Em parte, isto se deu pela má compreensão dos procedimentos empregados, mas também, em razão da perda de identidade a que foi submetida no início do século XX. Taxados como Magia, foram abandonados ou simplesmente, descartados como crendices e superstições. Nada tinham de religiosos, embora fossem auxiliares poderosos na direção da perfeição divina.

Se sozinha a Astrologia era considerada bobagem, aliada à Magia então, virou assunto proscrito. E com isso, este ramo da Astrologia se recolheu a uns poucos círculos de Iniciados e, mesmo assim, disfarçada por metáforas e mitos, temas que nunca fizeram parte da Astrologia Tradicional.

Foram os místicos árabes a partir do século V que codificaram o sistema de maneira coerente e compreensível para o Ocidente. Partem do principio de que somos impuros, indicando que o primeiro passo é a limpeza ou purificação. Depois seguem-se dois outros passos antes de se alcançar a consciência da unidade. Esta é a derradeira etapa antes da comunhão com os planos da divindade.

Mas há um porém. A partir do Iluminismo, a experiência divina ou religiosa foi colocada de lado, na mesma proporção em que o Homem assumiu uma posição central na Criação e no próprio Universo. A experiência mística se restringiu então aos círculos ocultistas ou iniciáticos, com fundamentos racionalistas cada vez melhor elaborados e estruturados. Estes resultaram nas Ordens onde o desenvolvimento ritual se tornou mais importantes que a vivência interior.

Surge então a pergunta: quem se lembra de Deus? Quem se preocupa com ele em pleno século XXI? Apesar de toda preocupação com o autoconhecimento, o que o nativo saberá fazer com isso? Para que servem as diversas informações coletadas se o próprio não inicia um processo de regeneração e reintegração?

Portanto, precisa haver uma finalidade, um objetivo grandioso que justifique uma grandiosa mudança de hábitos. O ponto de partida é sempre o Ascendente e a primeira “estação” é a Lua em seu mapa. E o primeiro “destino” é o Sol.
Não importa onde pretenda chegar com a magia resultante, estas são as etapas que terá de seguir necessariamente.

A Lua representa hábitos e condicionamentos, a sua zona de conforto, a casa dos pais. Mas a Lua é também a conexão com o astral, com o mundo espiritual. Não existe boa magia se não tiver visualizado e memorizado o que pretende e como pretende. A Lua é entrega a algo que você não vê, é estar no bom caminho sem ter a certeza de onde você chegará. Experimente avaliar este astro em seu mapa sob esta perspectiva. Há um longo trabalho pela frente.

Pasqually e Saint-Martin (dentre outros) são unânimes em afirmar a importância da regeneração e da purificação para um bom acesso aos planos espirituais mais elevados. Qualquer que for o processo mágico empregado, você terá de contar com o auxílio do Anjo Guardião (ou Mestre Interior) e este apenas estará disponível se esta etapa tiver sido concluída à contento. É comum que esta fase dure cerca de um ano… e então haverá mais duas fases antes de poder se dignar a pedir o auxílio do Anjo Guardião ou Mestre Interior.

magiaO diagrama ao lado ilustra as etapas a serem percorridas.

O mais elegante da Astrologia aliada à Magia é que ela pode ser individualizada a partir de seu mapa de nascimento, onde você encontrará ainda outras importantes dicas que podem lhe ajudar no caminho em busca à consciência da Unidade como também, as dificuldades e armadilhas no percurso.

E pode ainda escolher as melhores ocasiões para lidar com elas. A Astrologia Hermética é apenas um arremedo da verdadeira Magia Astrológica.

Anúncios

, , , ,

14 comentários

Cosmogonias e a Astrologia Tradicional

Por cerca de quatro milênios, Astrologia e Astronomia eram uma única Arte, com o papel de compreender o papel do Homem e da Humanidade através da elaboração de uma Cosmogonia coerente. O papel de uma Cosmogonia é restabelecer a ligação com a Criação (ou com o divino).

No século XVII, com o surgimento da Física mecanicista, coube à Astronomia buscar a origem do Universo sem se preocupar com o seu significado. Este papel continua cabendo à Astrologia.

Surgida entre os sumérios e, posteriormente desenvolvendo-se para a Babilônia, Egito, Grécia e Índia, em momento algum se tornou uma religião. Os povos árabes e os hindus, até nosso dia, tem uma forte consciência religiosa e até poderiam ter transformado a Arte da interpretação dos sinais dos deuses em religião. Contudo, os principais tratados astrológicos árabes e hindus começam pedindo licença ao seu deus ou patrono, e não ao Sol, Lua, planetas ou astros.

E isso ocorre porque a compreensão que detinham é que a Astrologia fazia parte da religião e não o contrário.

Quando a Ciência transformou o Universo num mecanismo, os astrólogos se sentiram na obrigação de fazer o mesmo para justificar o seu trabalho. E desde então, astrólogos tentam de várias maneiras incorporar princípios estranhos à Arte de modo a lhe dar o status de ciência.

De fato, bastou a Astrologia entrar na Europa, em torno do século XI, para perder o seu sentido e identidade. A Astrologia Medieval, embora baseada na Tradição Astrológica, por não compreender os fundamentos filosóficos, promoveu a primeira pasteurização da Arte, suprimindo inclusive conceitos de base. E justamente por não compreenderem o que é a Astrologia de fato, a Astrologia Ocidental lida hoje com várias “astrologias” que nada tem em comum umas com as outras além de empregarem os mesmos astros.

Ou seja, a Tradição se perdeu. A Tradição que esteve na mão de sacerdotes com o propósito de zelar por sua correta transmissão. E porque eram justamente os sacerdotes? Porque a Astrologia sempre foi um poderoso instrumento de acesso às esferas superiores do Universo, seja através da compreensão de si mesmo (e da consequente purificação) como também como agente de transformação criativa (magia?).

Não foi por acaso que no século XVIII e XIX a Astrologia se desenvolveu mais fortemente nos círculos ocultistas e que, mais tarde, no século seguinte, organizações como a AFA surgiram para remover o ocultismo da Astrologia. Ao fazerem isso, removeram o que ainda restava da filosofia que norteia os seus princípios.

A Humanidade caminha num mar de incertezas e de aparências. Os indivíduos vivem um verniz do que realmente poderiam ser, porque perderam o acesso à sua essência e, por consequência, acesso às camadas superiores da consciência. Sem elas, é impossível ter acesso ao divino e se conectar com os planos divinos (desejo último de cada um de nós). A Astrologia sempre foi este caminho, na medida em que interpretava a linguagem dos deuses e suas mensagens.

No entanto, a Astrologia Tradicional que é ensinada no Ocidente tornou-se um conjunto de doutrinas, métodos e técnicas. Pouco tempo é dedicado á filosofia que subjaz em seus fundamentos. O resultado final é um conhecimento frio e de difícil aprendizado. Como qualquer Arte, deve ser experimentada de dentro para fora, a partir do coração, antes de ser assimilada pela mente.

A Astrologia não depende da Ciência. É um saber que, atualmente, encontra-se acessível a partir de várias fontes e origens. Não se limita a indicar quando você terá uma promoção em seu trabalho ou uma doença súbita, mas também, o caminho que você deverá percorrer se quiser ascender às esferas mais elevadas da consciência, além do mundo da substância e da matéria. Algumas linhas iniciáticas chamam de reintegração.

Quem eu sou? De onde vim? Para onde vou? É para isso que servem as Cosmogonias.

Como eu vou? A Astrologia Tradicional permite que você obtenha esta resposta.

Artigos relacionados:

, , , , , , ,

2 comentários