Posts Tagged igreja

Fim de Ano, renovação da vida

No calendário civil, 2011 já vai pelo fim. Vivemos as expectativas de dezembro, com confraternizações e celebrações em todos os círculos de relacionamento e camadas sociais. Afinal, é Natal e logo depois, Ano Novo.

Quantas promessas são realizadas neste período, tendo o Sol no Signo de Sagitário. E justamente por isso, a tendência a prometer mais do que efetivamente poderá cumprir, sempre com boa vontade, coragem, boas expectativas e otimismo. É uma antevisão do futuro, sem estar exatamente lá: uma viagem mental.

O Natal ocorre no severo Signo de Capricórnio e além da reunião entre familiares e amigos, é costume dispor de uma mesa farta para simbolizar prosperidade. Repete-se esta atitude por ocasião do Ano Novo, mas com certa informalidade. É como se estivéssemos pedindo aos deuses da Astrologia, que não se deixasse levar pelo espírito de Capricórnio, que fala de economizar e poupar, de maximizar os recursos disponíveis e eventualmente, ser até avarento.

A maneira que comemoramos as festas natalinas, representa de fato como os nossos ancestrais faziam para agradecer pelas colheitas e benefícios do ano, por isso, o pernil, o peru, as nozes e os grãos. A uva é uma fruta importante, pois dela se extrai o vinho e costumava ser associada a vários importantes deuses ancestrais. No Hemisfério Norte, esta é a época mais fria do ano, após o que, o Sol reinicia a sua viagem de volta, para repetir o ciclos das estações, com destino à Primavera, a estação da renovação da vida.

Atualmente, o Ano Novo é comemorado uma semana após o Natal. Porém, de uma perspectiva astronômica, o ano se inicia entre 21 e 22 de março (atualmente). O início do calendário civil variou muito ao longo dos anos e esta data teve muito mais uma associação política do que astronômica ou mesmo, religiosa.

A celebração do Natal sempre se deu numa data próxima ao Solstício de Inverno e, em diversas culturas ao longo da História, sempre foi motiva para comemorar, ora com júbilo e alegria, outras vezes, com temor e esperança. É sabido que corresponde à época em que o deus-sol se encontra em sua fase máxima de escuridão, no Nadir de sua trajetória. Porém, o novo ano, para os povos que associaram a sua vida aos ciclos naturais, sempre se deu por ocasião do Equinócio da Primavera, quando o deus-sol ressurgia das trevas e retornava para o mundo da Luz.

Assim, é muito provável que a origem do Carnaval esteja associada ao final deste ciclo. Um ano tem 365 dias e um círculo 360º e esta diferença de 5 dias, quando colocada antes do nascimento do Sol, poderia ser muito bem associada às festividades em que os deuses dariam um cochilo para que os humanos pudessem se divertir com atividades e festividades  que, de fato, serviriam apenas para espantar os maus espíritos.

O Concílio de Nicea (325 d.C.) fixou a data da Páscoa no primeiro domingo após a primeira Lua Cheia da Primavera.  Mas, convém, ainda, notar o seguinte:

  • A data da Páscoa nunca pode ocorrer antes de 22 de Março nem depois de 25 de Abril. Se o cálculo ultrapassar este último limite, passa para o domingo anterior.
  • O dia de Carnaval, sempre à terça-feira, é 47 dias antes da Páscoa. O Dia da Ascensão, numa quinta-feira, 39 dias depois. O Domingo de Pentecostes, 49 dias depois. O Corpo de Deus, numa quinta-feira, 60 dias depois.
  • Os anos múltiplos de 100 não são bissextos, excepto se forem também múltiplos de 400.

Portanto, o Carnaval acabou se dissociando do ciclo anual, tornando-se uma data profana atrelada ao calendário religioso. Ainda, em 1582, a reforma do calendário juliano acabou por suprimir 11 dias do calendário civil. Quem dormiu no dia 04/10 daquele ano, acordou em 15/10. nem todos os países adotaram o calendário gregoriano após a sua promulgação.

De toda forma, resultou que certas festividades associadas ao ciclo do Sol e às estações do ano perdessem o seu sentido e significado, como é o caso do Ano Novo e do Carnaval (Saturnálias, para os romanos).

O Natal, entretanto, permaneceu inalterado, seja em essência, simbolismo e significado. Qualquer que seja a orientação religiosa, há plena concordância quanto à trajetória aparente do Sol em torno da Terra ao longo do ano e sua importância para a manutenção da vida em nosso planeta. Natal é o renascimento do deus ou de Deus, que encarna novamente entre a humanidade para nos redimir ou, no mínimo, nos ensinar o caminho para a reintegração com o divino.

Anúncios

, , , , , , , , , ,

4 comentários

A Dança dos Luminares

Eclipses são indicadores de mudança. Eram sempre temidos pelos antigos.

Neste caso, não poderia ser diferente. Será visível apenas nas altas latitudes do Hemisfério Sul e, portanto, tem a sua ação e influência diminuídas também em razão da baixa altitude.

Imagem do Eclipse (Nasa Eclipse Web Site).

Pertence à Série de Saros nº 123, iniciada em 1074. Este período corresponde ao da Cisma da Igreja Católica e o início das Cruzadas. Porém, vale citar que a primeira universidade foi fundada em 1088. Sua implantação se deu sob a vigência deste primeiro eclipse da série.

O eclipse atual é o 53º de 70 e se encerra em 2318. Uma pesquisa nos eclipses anteriores desta série coloca os temas em religião e ambiente acadêmico em foco. Há uma ênfase (direta ou indireta) no Signo de Sagitário. O primeiro deles começa com Saturno ocupando este Signo.

Há uma diferença entre os eclipse que ocorrem nos Nodos Lunares Norte e Sul. Este ocorre no Nodo Norte e é considerado agregador e construtivo. Ou menos destrutivo. É Mercúrio retrógrado quem dá o tom deste eclipse em particular, chamando a atenção especialmente para o emprego da ética e os valores realmente tradicionais da humanidade.

Sugere o retorno a conceitos simples de educação e cultura, sem adereços ou enfeites. Impele à busca da lealdade e confiabilidade como valores básicos. Júpiter, regente de Sagitário, encontra-se igualmente retrógrado em Touro em mútua recepção com Vênus. Portanto, trata-se de uma ética dos sentidos, de pegar, tocar, cheirar.

Este eclipse fala de coisas simples, de valores e conceitos que já eram conhecidos por nossos pais e avós. Trata de um retorno às origens, em que negócios eram selados à base de um fio de bigode. Em meio a uma grave crise de consumo, em que os mercados encolhem e até Deus se tornou um negócio rendoso e próspero, é hora de lidar com os paradoxos que a sociedade contemporânea se encontra imersa.

As Cruzadas promoveram a devastação e a destruição por onde passaram. Hoje, é a necessidade de consumo que esgota com os recursos do planeta. Rios e lagos tem secado e desaparecido, drenados para irrigação de imensas áreas de plantio. O solo dos mares está coberto de lixo, óleo e plástico. Mineração e agricultura tem criado enormes modificações na morfologia do solo, criando áreas erodidas. Onde haviam florestas e morros, hoje só existem extensas planícies, várias delas, desertificadas em razão da exaustão do solo.

As diferenças religiosas ainda são causadores de guerras e desentendimentos entre Ocidente e Oriente. Porém, assistimos à mudanças importantes no Islã africano, que podem resultar em cismas ainda maiores, bem como, no avanço da pobreza e miséria onde a riqueza é pouca e para poucos.

Este eclipse aponta para o futuro da humanidade e apresenta soluções, dá pistas do caminho a seguir. Não promete nenhuma devastação, pois leva à reflexão (Júpiter e Mercúrio retrógrados), a busca da ética e dos costumes tradicionais. De tentar viver com mais simplicidade, antes que esta crise de recursos nos devore e ao planeta.

, , , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário