Archive for category 2018

Ladeira abaixo

Meus pais tinham amigos que moravam no Rio de Janeiro e passei a minha infância viajando para a então Cidade Maravilhosa. Tenho boas recordações dos vários passeios que fizemos na década de 70.

No início da década de 80, estudei na Escola de Marinha Mercante. Foi bem na época em que Moreira Franco entregou o governo da cidade para Leonel Brizola e seus CIEPS. A mudança inclusive do cheiro nas ruas da cidade mudou justamente neste período.

Este início da década de 80 marca outros acontecimentos importantes, como o surgimento da Social Democracia (que se mostrou não ser nem uma coisa e nem outra) e líderes importantes como Reagan e Thatcher.

Atualmente, o Rio de Janeiro não é mais o principal destino turístico dos estrangeiros em férias no Brasil, assustados com a violência nas “comunidades”.

Na verdade, sinto que a cidade perdeu a sua identidade quando deixou de ser Guanabara, a capital do país, tornando-se apenas Rio de Janeiro, capital do Estado. Quando a família imperial portuguesa ali chegou, em pouco tempo, transformou a cidade não apenas em centro de poder, mas também num pólo cultural importante. D. Pedro II tinha um apreço especial pela ciência, pela cultura e pelas artes. São Paulo superou o Rio como principal pólo cultural e artístico no país apenas durante a década de 80.

Como centro econômico e comercial, o Rio sempre atraiu migrantes particularmente do norte do país. De uma forma geral, pode ser dito que o carioca era essencialmente cordial e hospitaleiro, como eternizado no personagem do Zé Carioca, de Walt Disney. Os migrantes foram, em sua maioria, bem recebidos adaptando-se facilmente à cidade. Porém, na outra extremidade da sociedade, vimos as conspirações e a contravenção, que costumam andar onde há dinheiro. Na década de 80 era apenas o jogo do bicho, que financiava o Carnaval.

Com a perda de importância da cidade, os pobres se tornaram os miseráveis e começaram a subir os morros: os cortiços se tornaram as favelas (hoje, “comunidades”). A teia em torno do jogo do bicho foi substituída pelo tráfico, com drogas e armas, tornando-se absurdamente violenta.

Sem nenhuma ética ou controle, o dinheiro da corrupção drenou o dinheiro para as obras públicas para o bolso de uns poucos, num arremedo perverso de Zé Carioca do mal. Apesar dos royalties do petróleo, os recursos gerados na cidade não eram mais suficientes para mantê-la, dependendo de uma combalida e péssima administração pública. No Brasil, os recursos sempre aparecem depois da tragédia (embora nem sempre alcancem quem realmente depende deles).

Com o triste incêndio do Museu Nacional, resolvi inquirir sobre o mapa da fundação da cidade. As cartas de Anchieta relatam que Estácio de Sá fundeou seus navios na sombra da Ilha Grande, onde elaborou o seu plano para reconquistar a cidade dos franceses. Seu plano era simples, entrar na barra da Baía de Guanabara quando a maré estivesse enchendo, pois assim, as pequenas embarcações dos tupinambás teriam a maré contra elas. Como a maré encheu logo no início da manhã, por volta de 05:30 horas, os nativos ainda teriam o brilho do Sol em seus rostos, diminuindo também a velocidade.

Rio_1555_França_Antártica

Segundo Anchieta, o plano teve êxito absoluto e as naus portuguesas puderam aportar nas proximidades do morro Cara de Cão em seguida. Considerando todas as possibilidades náuticas e astronômicas, é provável que a fundação da cidade tenha se dado entre 07 e 08:30 horas do dia 01/03/1565. Embora não tenha realizado um cálculo completo do ajuste de hora, emprego o horário de 07:30 horas, que resulta num Ascendente em 17° de Aquário.

Sob esta perspectiva não acredito numa diminuição da violência por conta do tráfico de drogas e armas; ao contrário, tenho expectativas que ela se expanda a níveis maiores a partir de novembro de 2018. Com relação à cultura, o incêndio no Museu Nacional gerará comoção e acabarão entrando (muito atrasados) os recursos para o seu restauro. É bastante provável que surjam investimentos de outros países (França? Alemanha?) mas sem um projeto geral e inclusivo. Há teatros e outros museus em situação financeira delicada. O carioca se orgulha de sua história (e há muitas para contar)… mas os recursos para manter e preservar o seu patrimônio quaisquer que tenham sido os desvios, não chegam onde são necessários.

Sobre a falta de verbas destinadas ao museu (acervo Estadão).

A força do povo carioca está em sua pluralidade e no amor a sua terra. É preciso reconquistá-la.

Anúncios

, , ,

Deixe um comentário

2018, a Copa do Mundo e as Eleições

Confesso estar pouco disposto a escrever sobre “previsões 2018” ou sobre “previsões para os Signos 2018”. A humanidade vive um momento de transição que ainda levará alguns anos. E particularmente no Brasil, basta acompanhar o noticiário para ser tomado pelo pessimismo.

Por outro lado, é preciso lembrar (todos astrólogos o fazem) que as previsões para o ano são obtidas, à princípio, empregando o mapa do ingresso do Sol em Áries, que ocorrerá em 20/03/2018. Este mapa é de fato considerado o mapa do “Ano Novo Astrológico”, aquele que dispõe sobre os temas e o tom do ano em curso até o próximo ingresso, no ano seguinte.

Uma das principais características do ano de 2018 é que todos os Astros ficarão retrógrados, inclusive Marte e Vênus. Ocorrerão três eclipses solares, nenhum deles visível no Brasil, embora mereça alguma atenção aquele que ocorre em 11/08/2018, visível sobre o nordeste da Ásia (China, Mongólia…) ao norte da Europa (Suécia, Finlândia, Noruega…) até a Groelândia, uma vez que forma conjunção partil com Vênus do mapa da Independência do Brasil.

Este Astro (Vênus) teve participação importante nos eventos recentes de nosso país, especialmente na Era Temer, além de estar conjunto ao nefasto Nodo Lunar Sul (Cauda do Dragão).

Júpiter e Saturno vibram no tom de uma semiquadratura minguante, aspecto que não é considerado na Astrologia Tradicional, embora seja de grande importância como indicadora da “eletricidade” compartilhada por dois Astros. Trata-se de um aspecto moderadamente tenso, que prepara o terreno para a conjunção que se aproxima (ocorre em dezembro de 2020).

Portanto, dos tópicos acima listados, não dá mesmo para esperar nenhum evento de proporções midiáticas, impactante a ponto de ser tomado como fator de mudança de uma era ou de uma geração. O fato é que, como um todo, 2018 será um ano morno até o início de novembro, quando Júpiter ingressa em Sagitário. Como Saturno já se encontra em Caprícórnio, nos dois últimos meses do ano teremos estes dois Astros superiores domiciliados, embora sem manterem relação entre si.

As retrogradações destes dois Astros ocorrem todos os anos e novamente se superpõem parcialmente, em razão de sua proximidade zodiacal. Porém, a retrogradação de Marte acrescenta um tempero adicional ao período entre o final de junho e o final de agosto. Júpiter retoma ao movimento direto cerca de uma semana após o início da retrogradação de Marte, que por sua vez, retoma ao movimento direto uma semana antes de Saturno.

Há uma retrogradação de Mercúrio nesta mesma época, ocorrendo entre 26/07 e 19/08, formando três conjunções justamente com a Vênus que citei acima, do mapa da Independência do Brasil. Este será o período mais confuso do ano e com reflexos em nossa atividade produtiva (indústrias) e nos esportes.  É provável que se estenda ainda para o setor de serviços, particularmente aquele voltado para o turismo de negócios.

E Vênus retrograda em Escorpião/Libra entre 05/10 e 19/11. Ou seja, exatamente no período correspondente às eleições gerais no Brasil, para todos os cargos do executivo e do legislativo. Se você estiver contando com alguma limpeza ou renovação dos quadros políticos, a expectativa, com este movimento de Vênus, é que teremos mais do mesmo, particularmente no legislativo.

brasil 2018

Há a Copa do Mundo, entre 14/06 e 15/07, na Rússia. Este evento está compreendido entre duas conjunções entre Marte e Saturno, ambos em Capricórnio: a 1ª conjunção ocorre em 08/06, com Marte direto e Saturno retrógrado; a 2ª conjunção ocorre em 28/07, com ambos retrógrados. Vênus formará uma conjunção com Vênus do mapa natal da Independência do Brasil em 29/06. Júpiter estará na órbita de um sextil com o Sol do mapa natal da Independência do Brasil.

Acredito que a seleção brasileira passará facilmente pela 1ª fase. A partir da 2ª fase, os adversários tornarão o caminho para a conquista da Copa mais difícil. De qualquer modo, veremos uma equipe onde a colaboração, a cooperação e o entrosamento produzem os resultados (gols). Apesar de realizar um bom trabalho, é pouco provável que esta equipe seja campeã (deve chegar em 2º ou 3º lugar).

Qualquer que seja o resultado da Copa, será uma época (antes e depois, como de costume) em que os problemas do país serão temporariamente deixados de lado, o que não é novidade.

Aí é hora de pensar nas eleições. E a primeira pergunta é se Lula será candidato. O julgamento de Lula em 2ª instância será ainda no 1º semestre e pode torná-lo inelegível. Há um período crítico e decisivo com relação às suas pretensões ocorrendo após o Carnaval, em fevereiro. Este julgamento deve ocorrer nos últimos dias de abril ou nos primeiríssimos dias de maio e, mesmo que não seja preso, deve ser tornado inelegível, ficando fora da disputa (ao menos num 1º momento).

Lembra-se daquele período em que ocorrem várias retrogradações? Pois é, entre outras coisas pode indicar alguma comoção popular, bem como, as tentativas da defesa do ex-presidente em invalidar ou desqualificar o julgamento… aí vem a Copa… e muitas coisas acontecerão nos bastidores…

Bem… e quem ganha as eleições? Já existe uma lista de possíveis candidatos e outros ainda podem surgir. Portanto, o mais adequado é tentar descrever o perfil daquele que tomará posse. Tenho até o meu palpite, para não dizer que faço proselitismo.

Para obter a informação de quem subirá a rampa do Palácio do Planalto, uso o mapa da posse. Combinando com as Direções Secundárias de Arco Solar do mapa da Independência do Brasil e seu mapa natal, chega-se a uma tônica de Saturno. Portanto, o próximo presidente eleger-se-á a partir de uma plataforma de austeridade econômica, retorno aos fundamentos da economia, É bastante provável que se mostre bem identificado com os problemas do país, bem como, com o funcionamento do Congresso. Durante a campanha eleitoral, terá de lidar com suspeição, embora nada seja efetivamente provado a seu respeito (e nada surgirá depois).

O que irá lhe assegurar a vitória será a sua capacidade de se comunicar com as bases populares, sem exatamente se tratar de um candidato populista. Em outras palavras, saberá dizer o que os outros querem ouvir. Sua campanha iniciar-se-á por meio de palestras a empresários do país e coalização com os governadores dos Estados. Antes de assumir, deve articular com os líderes partidários e iniciará seu mandato com um voto de confiança do de deputados e senadores.

Se eu estiver certo com respeito ao candidato vencedor, será durante o seu mandato que veremos, após cerca de dois anos (um ciclo de Marte) o Brasil voltar a crescer, baseado tanto na confiança interna em razão da austeridade e respeito às regras, como também, ao estímulo às exportações (que tanto interessa à indústria, agronegócio e mineração).

De toda forma, o ano de 2018, apesar de morno, será um ano de esperança, de sonhos e de expectativas. Embora a Câmara e o Senado pareçam andar um na contramão do outro, os sinais de recuperação da credibilidade virão da Câmara baixa e não da alta.

Outras áreas de interesse:

Cultura: Surge um novo estilo musical ou de dança, que logo vira modismo. A cultura popular tem projeção na mídia, graças à curadores ou campanhas através de organizações com capacidade de penetração. Mostras fotográficas com temas históricos devem percorrer algumas capitais do Brasil.

Educação: Apesar do marco regulatório proposto e aprovado no final de 2017, ainda persiste a evasão no período do ensino fundamental. Ocorrerão quedas de braço entre a justiça trabalhista e as universidades “fast food”, que contam com capital estrangeiro. Melhor para as universidades…

Esportes: Destaque para o atletismo e muita esperança no futebol. Porém, os destaques ocorrem nos esportes individuais e não nos coletivos, muito mais em função de um talento do que em razão do desenvolvimento técnico. Os esportes de luta, como boxe, judô, etc… devem receber premiações.

Religião: Apesar de sermos um país laico, as bancadas religiosas (especialmente as articuladas  bancadas evangélicas) terão algum revés na justiça, em razão de problemas legais de alguns líderes em países do exterior. Não custa recordar que os líderes de duas grandes igrejas evangélicas são investigados nos EUA (entrada ilícita de valores, evasão de divisas e sonegação fiscal).

, , , , , , , , , , , , ,

3 comentários