Os Anjos Planetários

Desde tempos imemoriais, os planetas tradicionais são considerados moradas ou pontos focais de deuses, a ponto de ainda em nossos dias terem nomes correspondentes aos deuses olímpicos. As tabuinhas de argila da Suméria registram guerras entre estes deuses, ocorridas nos planetas, particularmente aqueles que conhecemos como Marte e Vênus.

Normalmente, estabeleço relações com os anjos e as estrelas, que são usinas de energia. Os planetas, entretanto, são corpos que orbitam em torno de algumas estrelas. Não há referência à existência de “inteligências dos planetas” no Pentateuco, embora Gênesis seja um conjunto de estórias recolhidas da Suméria.

Os grimórios surgiram a partir do início da Idade Média. Tratam-se de um conjunto de rituais mágicos para alcançar fins específicos. A maior parte deles se utiliza de invocações associadas aos anjos planetários. Para se harmonizar com eles era preciso construir um quadrado mágico, e desenhar o selo do anjo antes de invocá-lo pelo nome. A principal fonte dos grimórios são os escritos de Cornellius Agrippa. Não se sabe, entretanto, de onde ele obteve estas informações. É relativo atribuir este saber aos alquimistas árabes, uma vez que associação astrológica era uma maneira corrente de tornar alguma informação deste tipo mais verossímil e críptica.

John Dee e Charles Barlet desenvolveram sistemas próprios de magias com a utilização dos anjos e forças planetárias. Há diferenças fundamentais entre ambas e não é o propósito deste artigo esclarecê-las, apenas citá-las, uma vez que continuam sendo fonte de referência para qualquer método que empregue as energias dos anjos planetários.

Porém, o mais provável é que as suas origens se encontrem mesmo entre os árabes, tendo sido codificado de uma forma mais coerente pelos místicos judeus por meio de um ramo da Cabala. Mesmo entre os cabalistas judeus, contudo, existem pequenas divergências quanto às atribuições planetárias. E desde o início do século XX, este saber foi relegado a algumas escolas de mistérios muito reservadas.

Mas do que se trata este saber? É tanto mágico quanto alquímico, na acepção moderna do vocábulo. O acesso ou a comunicação com as inteligências planetárias não tornará ninguém bilionário da noite para o dia, mas permitirá o seu acesso às esferas mais elevadas de consciência, onde encontramos a paz e a harmonia do Universo (ou da divindade) resultando não apenas numa existência mais saudável e luminosa. Portanto, o papel dos anjos planetários é uma espécie de regeneração e reintegração à essência solar, raiz e fonte de nosso DNA. Ou seja, voltar para a luz.

anjo4Tratam-se de anjos que, apesar de não estarem associados às estrelas, possuem atribuições específicas e muito particulares, correspondendo a estágios de elevação da alma, seja em vida como após a morte. Cumprem ainda um papel regulador das atividades em nosso planeta e por fim, a Lua, tem como missão regular não apenas os fluidos mas também, os nascimentos e falecimentos de todos os seres que habitam a Terra. Neste particular, a Lua é uma espécie de última estação, para quem encarna e, primeira estação, para quem parte.

As atribuições que se seguem podem diferir daquelas encontradas na literatura, mas me foram transmitidas oralmente por Robert Ambelain antes de realizarmos um importante trabalho de harmonização planetária em 1991, razão pela qual é descrito em poucas palavras para preservar o sigilo. Cada um dos aspectos abaixo visa o despertar da consciência universal ou cósmica.

  • Lua: Anjo Gabriel. Inteligência: Regulador da vida diária. Espírito: Plástico, moldável.
  • Mercúrio: Anjo Raphael. Inteligência: Intérprete da Luz. Espírito: Transformador.
  • Vênus: Anjo Anael. Inteligência: Valor e importância. Espírito: Agregador.
  • Sol: Anjo Micael. Inteligência: Consciência da Luz. Espírito: Unidade.
  • Marte: Anjo Samael. Inteligência: O bom combate. Espírito: Justiça, disciplina.
  • Júpiter: Anjo Tzadkiel. Inteligência: Providência. Espírito: Mantenedor.
  • Saturno: Anjo Cassiel. Inteligência: Limites das formas. Espírito: Tempo, ciclos longos.

Este artigo é um complemento ao artigo principal Breves Reflexões sobre os Anjos, onde você encontrará minha visão pessoal a respeito da Criação, dos Anjos e de Lúcifer.

Anúncios

, , ,

  1. Breves reflexões sobre os Anjos | Espiritualidade, religião e fé

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: